APRESENTAÇÃO
MAPA DO SITE
LOCALIZAÇÃO
CASOS CLÍNICOS
CONSULTAS

 

FUNDAMENTOS DA TERMINOLOGIA MÉDICA

Este artigo foi incluído neste site para que o leitor possa, através dele,  compreender melhor os termos e expressões que serão usadas nas páginas específicas deste trabalho. As informações postadas aqui podem ser úteis para profissionais da área biomédica, professores de português e para o leitor comum, mas  curioso que gosta do saber . Muitas vezes o indivíduo fica perplexo diante dos termos técnicos, aparentemente incompreensíveis, com que se depara todas as vezes que encara um texto científico. O artigo que segue, se lido com carinho, com certeza proporcionará ao leitor a oportunidade de apreciar todas as matérias publicadas neste espaço sem se deparar com palavras de significado inacessíveis. Esta página poderá também servir de consulta durante a leitura dos demais artigos.

UM POUCO DE FILOLOGIA

Todo ramo do saber humano, toda ciência, necessita criar sua própria terminologia, adequada às suas necessidades de comunicação e expressão. A medicina, como uma das mais antigas atividades do homem, desenvolveu uma linguagem que, ao leigo, se afigura hermética e de difícil entendimento. Do mesmo modo, o estudante dos cursos biomédicos se assusta de início com tantas palavras novas que deve aprender e cujo significado tem dificuldade de memorizar.
      Para facilitar o aprendizado da terminologia médica são úteis algumas noções sobre formação de palavras.
      Inicialmente é necessário ressaltar que os termos médicos são regularmente formados a partir de
radicais, prefixos e sufixos gregos e latinos, com os seguintes objetivos:

1.     Simplificação da linguagem.

2. Precisão do significado das palavras 

2.     3. Intercâmbio científico entre as nações com diferentes idiomas de cultura.

O uso de radicais gregos e latinos, comuns a vários termos, permite expressar em poucas palavras fatos e conceitos que, de outro modo, demandariam locuções e frases extensas. Cada termo médico, tal como ocorre em outras áreas do conhecimento humano, caracteriza um objeto, indica uma ação ou representa a síntese de uma idéia ou de um fenômeno, a definição de um processo, contendo em si, muitas vezes, verdadeira holofrase, cujo sentido está implícito na própria palavra.
        Quando nos referimos, por exemplo, à
colecistectomia laparoscópica enunciamos em duas palavras um procedimento complexo que, em linguagem descritiva seria: "operação para retirada da vesícula biliar por um processo que não necessita abrir a parede abdominal e que utiliza um equipamento de videolaparoscopia". Se quiséssemos explicar em que consiste o equipamento teríamos de escrever outro parágrafo ainda mais extenso.
        Vejamos outro exemplo:
O mielograma acusou pancitopenia. Equivale a dizer "que o exame da medula óssea mostrou diminuição de todos os tipos de células normalmente ali encontradas e que dão origem aos glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas do sangue".
        Choque hipovolêmico expressa a condição clínica caracterizada, em linguagem comum por "queda acentuada da pressão arterial por diminuição do volume de sangue circulante". E assim por diante.


        O
segundo objetivo consiste na precisão da linguagem. Cada termo empregado deve ter um único significado, uma definição própria aceita pela comunidade científica, ao contrário da linguagem literária ou coloquial em que as palavras podem ter acepções diversas, na dependência do seu contexto na frase.


        O
terceiro objetivo da terminologia médica é a sua internacionalização, facilitando o intercâmbio de informações entre os diferentes países. Isto se torna possível pela utilização de termos que são comuns a todas as línguas de cultura, adaptáveis morfologicamente a cada uma delas.
        Vejamos apenas um exemplo: O termo
esplenomegalia significa "baço aumentado de tamanho". A palavra  compõe-se das raízes gregas splén, baço + megalo, grande + sufixo ia. O termo é universal, comum a todos os idiomas.
        Aceita a palavra grega splén na terminologia médica internacional, todos os termos relativos ao baço serão formados com o mesmo radical nos vários idiomas.
Se tivéssemos que utilizar a palavra baço fora da terminologia médica, teríamos spleen, em inglês; mitz, em alemão; rate, em francês; milza, em italiano; bazo, em espanhol e baço, em português, o que dificultaria enormemente a comunicação.


       
O número de termos novos com os quais o profissional da saúde deve familiarizar-se é relativamente grande - cerca de 13.000 - número superior ao vocabulário habitualmente usado em qualquer idioma. Basta dizer que em toda a obra literária de Machado de Assis foram utilizados não mais que 12.000 diferentes vocábulos. Seria extremamente difícil memorizar tantas palavras, não fosse o fato de que a maioria dos termos científicos usados em medicina foram criados utilizando-se de raízes gregas e latinas, que entram com o mesmo significado na formação de múltiplas palavras, e que podem ser facilmente identificadas. São relativamente poucos os termos médicos oriundos de outras línguas ou formados de elementos vernáculos. Assim, para a compreensão e mais fácil assimilação da terminologia médica, é indispensável um mínimo de conhecimento sobre a origem e formação de termos médicos a partir do grego e do latim.

FORMAÇÃO DE NOVAS PALAVRAS

As gramáticas ensinam que os principais processos de formação de novas palavras são a derivação e a composição.
        A derivação pode ser prefixal, sufixal, parassintética e regressiva.
        A composição se faz por justaposição e aglutinação.

a) Derivação

Na derivação prefixal utilizam-se, na grande maioria das vezes, prefixos gregos e latinos. Para muitos lingüistas a prefixação é, na verdade, uma forma de composição e não de derivação.
        Na
derivação sufixal, também chamada progressiva, utilizam-se sufixos nominais na formação de substantivos e adjetivos, e sufixos verbais na formação de verbos. Há ainda em português um sufixo adverbial frequentemente usado na formação de advérbios.
        A
derivação parassintética consiste na utilização simultânea, na mesma palavra, de um prefixo e de um sufixo.
        A
derivação regressiva busca encontrar a palavra primitiva a partir da derivada.

b) Composição

Na composição por justaposição duas palavras se unem, com ou sem hífen, sem que nenhuma delas sofra qualquer modificação.
        Na
aglutinação ocorre modificação em uma delas ou em ambas.

RAIZ, RADICAL, TEMA, PREFIXO, SUFIXO E DESINÊNCIA

Chama-se raiz o elemento nuclear, primitivo e irredutível da palavra, que exprime a idéia central.
        Chama-se
radical a parte da palavra desprovida do sufixo. Pode ser a própria raiz ou esta acrescida de outro elemento, caso em que também é chamada de tema. Alguns gramáticos consideram radical e tema como sinônimos
       
Prefixos são elementos ou partículas que se antepõem ao radical, modificando o sentido da palavra. Originam-se, em sua maioria, de preposições ou advérbios.
        Sufixos são elementos ou partículas que se pospõem ao radical, para formação de derivados da mesma palavra. Os sufixos podem ser nominais (substantivos e adjetivos) e verbais.
       
Desinência vem a ser o elemento final da palavra, indicativa da flexão nominal (gênero, número e grau) ou verbal (modo, tempo, número, pessoa e voz).

DECLINAÇÃO

Uma noção lingüística importante, que deve ser conhecida para melhor entendimento da maioria dos termos médicos, é o da declinação.
        Tanto o grego como o latim possuem declinações, ou seja,
um sistema de flexões casuais dos nomes, que permite reconhecer a função da palavra na oração por sua terminação.
        Há
três declinações em grego e cinco em latim, conforme o tema. A declinação se dá no singular e no plural e abrange cinco casos em grego e seis em latim. Os casos em grego são: nominativo, genitivo, dativo, acusativo e vocativo. Em latim há um caso a mais, o ablativo.
       
O nominativo corresponde ao sujeito da oração; o genitivo ao adjunto adnominal; o acusativo ao objeto direto; o dativo ao objeto indireto; o ablativo aos adjuntos adverbiais, e o vocativo expressa um apelo ao sujeito. O ablativo em grego é substituído pelo genitivo ou pelo dativo.
        As línguas sem declinação, como a portuguesa, valem-se de preposições para substituir as flexões casuais. Em português usa-se a preposição de para o genitivo; a ou para no dativo, e por em lugar do ablativo. O nominativo e o acusativo, ou seja, o sujeito e o objeto direto são identificados por sua colocação na frase, sem necessidade de preposição.
       
Os termos médicos oriundos do grego são formados em sua maioria a partir do genitivo e do nominativo, enquanto os termos derivados do latim, utilizam de preferência o acusativo. Na notação escrita é usual mencionar o nominativo seguido do genitivo, que identifica a declinação a que pertence a palavra. O genitivo tanto pode ser indicado por extenso, como, o que é mais usual, de modo abreviado apenas pela desinência. Exemplos:

Em grego

1. genitivo por extenso:                                   2. genitivo indicado apenas pela desinência
            kheir, kheirós - mão                                                  dérmo, atos - pele
            rhis, rhinós - nariz                                                      haîma, atos - sangue
            thrix, thrichós - cabelo                                             nephrós, oû - ri
            poús, podós - pé                                                       thórax, akos
- tórax

Em latim:

1. genitivo por extenso:                                    2. genitivo indicado apenas pela desinência:
            cor, cordis - coração                                                  manus, us - mão
            os, oris - boca                                                            nasus, i - nariz
            os, ossis - osso                                                           sanguis, inis - sangue
            pes, pedis - pé                                                            vena, ae - veia
 

FORMAÇÃO DE TERMOS MÉDICOS

Os termos médicos, em sua grande maioria, são formados a partir de radicais, prefixos e sufixos gregos e latinos. Em menor número provêm de elementos vernáculos ou procedentes de outros idiomas.
        As palavras formadas com elementos de mais de um idioma são chamadas híbridas. O hibridismo deve ser evitado, sempre que possível.

Prefixação e sufixação.

Principais prefixos gregos de interesse médico:

a, an - privação: acloridria, afasia, anaeróbio, analgésico
        an, ana - para cima, para trás: anionte, anaplasia
        ana - de novo: anamnese, anastomose
        anti - contra: antiemético, antídoto, antissepsia
        apo - separação, derivação: apócrino apófise, aponeurose
        dia - através de: diagnóstico, diafragma, diarréia, diáfise, diálise
        dis - dificuldade: disfagia, dispnéia, dislalia, distrofia, disúria
        ecto - fora de, exterior: ectoderma, ectópico, ectoparasito
        endo - dentro, parte interna: endocárdio, endógeno, endotélio
        epi - sobre: epiderme, epidemia, epífise, epidídimo
        eu - bem, bom: euforia, eugenia, eutanásia
        exo - para fora, externo: exoftalmia, exosmose, exógeno
        hemi - metade: hemisfério, hemiplegia, hemicrania, hemicolectomia
        hiper - aumento, excesso: hipertrofia, hipertonia, hiperglicemia.
        hipo - diminuição ou posição abaixo: hipocloridria, hipocôndrio
        iso - igualdade: isotérmico, isogênico, isótopo, isotônico
        meta - mudança, sucessão: metamorfose, metafase, metacarpo
        neo - novo: neoplasia, neoformação, neologismo
        oligo - pouco: oligospermia, oligúria, oligofrênico
        orto - reto, direito: ortognata, ortopedia, ortodontia
        pan - todo: pancardite, pangastrite, pandemia, pan-hipopituitarismo
        pen - escassez, pobreza: citopenia, leucopenia, linfopenia
        para - proximidade: parasito, paratiróide, paramétrio, paranormal
        peri - em torno de: periarticular, periférico, peritônio, pericárdio
        poli – muito: policitema, polidipsia, polimenorréia, poliúria
        pro - anterioridade: prognóstico, proglote
        sin - idéia de conjunto, simultâneo: síndrome, sincrônico, sincício.

Principais prefixos latinos de interesse médico:

ab, abs - separação, afastamento: abscesso, abstêmio
        ad - aproximação, adição: adsorção, adstringente
        ante - anterioridade, para frente: antebraço, anteflexão
        co, con - companhia: co-autor, congênere
        contra - oposição: contraceptivo, contralateral
        de, des - sentido contrário, separação: desinfecção, degeneração, desnervação, dessensibilização
        en - introdução, mudança de estado, revestimento: encarcerar (hérnia), envenenar, envolver
        ex - para fora: exfoliativa (citologia), exsudato
        in - introdução, para dentro: intubação, invaginação
        inter : posição intermediária, reciprocidade: intersexualidade, interação
        intro - para dentro: introversão, introspecção
        per - durante, através: peroperatório, peroral
        pós, post - depois, em seguida: pós-operatório, post mortem
        pre - antecedência, posição anterior: pré-coma, pré-frontal
        pro - para diante (não confundir com igual prefixo grego): pronação, protrusão
        re - repetição, volta, intensidade: repolarizar, refluxo, reforçar
        retro - atrás, para trás: retroperitônio, retroversão, retroalimentação
        semi – parcialmente, incompleto: semicírculo, seemicúpio, semimorto
        sobre, super, supra - posição acima, intensidade: sobrepor, supercílio,
        suprapúbico, superinfecção
        sub - posição inferior, ação incompleta: subconsciente, subagudo, subliminar
        trans - através, além: transmural, transaminase, transexual

Principais sufixos nominais gregos de interesse médico:

ase - enzima: amilase, lipase, fosfatase, transaminase
        ia - coleção, qualidade, ciência: enfermaria, assistolia, cardiologia
        ismo - doença, sistema, crença: alcoolismo, botulismo, vitalismo
        íase - doença causada por parasito ou bactéria: amebíase, hanseníase
        ite - inflamação: apendicite, gastrite, cistite, miosite
        óide - semelhante a: mastóide, esfenóide, esquizóide
        oma - tumor: mioma, carcinoma, sarcoma
        ose - doença não inflamatória, ou degenerativa: artrose, dermatose

Principais sufixos nominais latinos de interesse médico:

al < -ale - adjetivos: arterial, mental, nasal, sexual
        ança, ancia < antia - substantivos: balança, criança, ambulância
        ano < -anus - adjetivos: craniano, microbiano
        ante, ente < - vogal temática + suf. -nte: substantivos e adjetivos: acidi- ficante, calmante, expectorante, absorvente, emoliente
        ario, a< -arius - substantivos e adjetivos: protozoário, coronária, urinário
        atico <- aticum - adjetivos: pancreático, profilático, sintomático
        ção < -tione - substantivos: dissecção, hidratação, pigmentação
        dade < -tate - substantivos: enfermidade, fertilidade, insanidade
        ento, lento < -(l)entu - adjetivos: incruento, peçonhento, purulento
        eza < -itia - substantivos: fraqueza, magreza, pureza
        ivo < -ivus - adjetivos: nutritivo, regenerativo, supurativo
        ino < -inu - substantivos e adjetivos: intestino, mediastino, masculino
        io < -ivo - substantivos e adjetivos: calafrio, doentio, sadio
        mento, a < -mentu, a - substantivos: aleitamento, corrimento, medicamento
        oso < -osus - adjetivos: aquoso, infeccioso, edematoso, membranoso
        ura < -ura - substantivos: comissura, estatura, fissura, sutura

Termos médicos oriundos do grego:

Os termos médicos de origem grega podem ser divididos em dois grupos:
        1.
Termos já existentes em grego clássico e que transitaram pelo latim antes de serem incorporados às línguas modernas. O latim foi a língua de comunicação científica utilizada durante muitos séculos nos países europeus. Mesmo quando o latim vulgar já não era mais falado pelo povo e havia se transformado nas línguas neolatinas, o latim clássico, erudito, continuava a ser usado nas Universidades, tanto na publicação de livros como na comunicação oral, em preleções, aulas e conferências.
        Todo o legado da medicina grega e, posteriormente, da medicina árabe, foi trasladado para o latim. Em conseqüência, os termos médicos existentes foram adaptados a esse idioma, sofrendo alterações morfológicas e prosódicas que se mantiveram nas línguas atuais.
        2. Termos formados diretamente de elementos gregos em data posterior ao abandono do latim como língua de comunicação científica, o que ocorreu progressivamente a partir do século XVIII. O acervo lexical de novos termos cresce dia a dia, em decorrência do progresso científico. Quase sempre os novos termos surgem em países desenvolvidos, onde são feitas novas descobertas, e devem ser adaptados aos idiomas de outros países, que os incorporam ao seu léxico.
        Na composição dos novos termos usam-se dois ou mais elementos da língua grega, que podem ser prefixos, temas nominais e sufixos.
        Devemos distinguir nos compostos o determinante e o determinado.
        Determinante é o elemento modificador, que restringe ou especifica o sentido do determinado.
        Determinado é o elemento mais importante, de sentido geral.
        Conforme a posição do determinante na palavra, os compostos podem ser de três tipos:
        Tipo sintético - O determinante vem em primeiro lugar. É o tipo mais comum. Ex: cardiologia, cromosoma, linfoma, mielócito, oftalmoscópio.
        Tipo analítico - O determinante vem em segundo lugar, São poucos os compostos desse tipo. Ex: filosofia, hipopótamo
        Tipo anfótero - Os elementos são de igual valor, não se distinguindo entre determinante e determinado. Ex: andrógino, hermafrodita.

Termos médicos oriundos do latim

Os termos de origem latina integrantes do vocabulário médico procedem, em sua maioria, do latim erudito. Contudo, alguns nomes, sobretudo os relativos a partes visíveis do corpo humano, são remanescentes do latim vulgar. Denomina-se latim vulgar ao latim que era falado pelo povo nas províncias romanas e que se diferenciou regionalmente, dando origem às línguas neolatinas.
        Entende-se por latim erudito a língua-padrão em que foram escritas as obras clássicas da literatura latina, manancial onde se abasteceram os eruditos de épocas posteriores.
        Muitos termos mantiveram no latim vulgar a mesma forma do latim erudito.

Termos médicos oriundos do latim vulgar. Exemplos:

Cabeça - de capitia, plural de capitium, capuz. No latim erudito caput.Gr.kephalé, ês
        Nariz - de naricae, ventas® singular narice®plural narices®singular nariz. Gr. rhís, rhinós.
        Boca - de bucca, bochecha. Suplantou os, oris. Gr. stóma, atos
        Orelha - de oricla, de auricula, diminutivo de auris. Gr. oûs, otós
        Dedo - de ditu, mod. de digitu. Gr. dáktylos, ou
        Joelho - de genuculu, diminutivo de genu. Gr. góny, gonatos
        Osso - de ossu. No latim erudito os, ossis. Gr. ostéon, osteu
        Fígado - de ficatum (figo). Lat. erudito: jecur. Gr. hepar, hepatós
        Calcanhar - de calcanho, do lat. erudito calcaneum, i.Gr. astrágalus, ou

Termos médicos oriundos do latim erudito. Exemplos:

Radio - de radiu, vara. Gr. kerkís, ídos
        Cúbito - de cubito, cotovelo. Gr. pêkhus, eos
        Tíbia - de tibia, flauta, tubo de órgão(instrumento musical).Gr. knéme,es
        Pálpebra - de palpebra. Gr. blépharon, ou
        Intestino - substantivação do adj. intestino, do latim intestinu, interior. Gr.: énteron, ou
        Reto - de rectus (sem flexuras). Gr. proctos, oû (inclui o ânus)
        Ânus - de anus, anel
        Ovário - de ovariu, portador de ovos. Gr. oophoros, os
        Testículo - de testiculus, diminutivo de testis, testemunha. Gr. órkhis, ios
        Pênis - de penis, der. de pendere, pender. Gr. phallós, oû
        Vulva - de vulva. Gr. hystéra
        Músculo - de musculus, diminutivo de mus, rato. Gr. mys, myós
        Útero - de uterus, ventre, ou de uter, odre. Gr.: métra, as; hystéra, as; delphýs, ýos
        Veia - de vena, conduto. Gr.: phlebós, ou
        Olho - de oculu. Gr. ophtalmós, oû
        Perna - de perna. Gr. skélos, ous
        Coxa - de coxa, osso do quadril. Passou a designar o segmento femoral.Gr.merós, oû
        Fêmur - de femur, coxa. Gr. merós, oû
        Pé - de pes, pedis. Gr. poús, podós
        Mão - de manu. Gr. kheír, kheirós
        Lábio - de labiu. Gr. kheîlos, ous
        Barba - de barba. Gr. pólon
        Cabelo - de capillu. Gr. thrix, thrikhós
        Punho - de pugnu. Gr. karpós, oû
        Dente - de dente. Gr. odoús, ontos
        Língua - de lingua. Gr. glôssa, es
        Pele - de pelle. Gr. dérma, atos
        Pulmão - de pulmone. Gr. pneúmon, onos
        Coração - de cor. Gr. cardía, as
        Rim - singular de renes, órgão duplo. Gr. nephrós, oû
        Bexiga - de vesica. Gr. kýstis, eos
        Escroto - de scrotu, bolsa. Gr. orkhis, ios
        Ombro - de umero. Gr. ômos, oû

Termos oriundos do grego através do latim. Exemplos:

Estômago - do gr. stómakhos, pelo latim stomachu
        Cólon - do gr. kólon, pelo latim erudito colon
        Artéria - do gr. artería, pelo latim arteria
        Catéter - dogr. kathetér, pelo latim cateter
        Faringe - do gr. pháryggx, pelo latim pharynx
        Braço - do gr. brakhíon, pelo latim bracciu
        Uretra - do gr. ouréthra, pelo latim urethra
        Ureter - do gr. ouréter, pelo latim ureter
        Pâncreas - do gr. págkreas, pelo latim pancreas

Termos oriundos de traduções latinas de palavras gregas. Exemplos:

Duodeno - do latim duodenum, tradução do grego dódeka-dáktylon (12 dedos) (Erasístrato).
        Jejuno - do latim jejunus, vazio, tradução do grego nêstis, jejum (Aristóteles)

Termos híbridos:

São aqueles formados com elementos de mais de um idioma. Exemplos:
        Hipertensão (hiper, gr. + tension, lat.)
        Endovenoso (endo, gr. + vena, lat. + o,,so, gr.)
        Densímetro (densi, lat. + metron, gr.)

Termos de origem incerta

São aqueles para os quais não há comprovação etimológica. Exemplos:
        Pescoço
        Bochecha
        Pestana
        bigode

Termos de origem onomatopaica

São chamadas onomatopaicas ou onomatopéicas as palavras que imitam sons naturais. Exemplo:
        Garganta - de garg (ruído de gargarejo).

TERMOS MÉDICOS  FORMADOS COM RADICAIS GREGOS.

A maioria dos termos médicos, especialmente os de criação mais recente, são compostos de temas ou radicais gregos, os quais podem ser encontrados nos dicionários médicos que trazem a etimologia das palavras. Alguns léxicos, como o de Garnier e Delamare utilizam o alfabeto grego na indicação da origem dos termos; outros, como o Dorland's Illustrated Medical Dictionary utilizam a transliteração das palavras gregas para o alfabeto latino, o que facilita a compreensão dos leitores não familiarizados com o alfabeto grego.

 

Radicais, sufixos e prefixos gregos e latinos.

 

Radicais Gregos

Radicais

significados

Exemplos

-acro-

alto, elevado

acrobata, acrópole

-agogo

o que conduz

pedagogo, demagogo

agro-

campo

agronomia agrônomo

alges(i)-, -algia

dor , sofrimento

analgésico, nevralgia

anemo-

vento

anemógrafo, anemómetro

antropo-

ser humano

antropofagia

-arca

que comenda

heresiarca, monarca

arc-, arqueo-

antigo, velho

arcaísmo, arqueologia

-arquia

comando, governo

anarquia, tetrarquia, monarquia

aristo-

ótimo, o melhor

aristocracia, aristocrata

aritm(o)-

número

aritmética, aritmologia

arquia-

governo

monarquia, anarquia

-astenia

bebilidade

neurastenia, psicastenia

aster-

estrela

asteróide

astro-

corpo celeste

astronomia, astrodinâmica

atmo-

gás, vapor

atmosfera, atmômetro

bari-, baro-

pressão, peso

barômetro, barítono

-bata

o que anda

acrobata, nefelibata

biblio-

livro

biblioteca, bibliotecário

bio-

vida

biologia, biografia

caco-

feio, mau

cacofonia, cacoépia

cali-

belo

caligrafia, calidoscópio

cardi(o)-

coração

cardíaco, cardiograma

cefal(o), -cefalo

cabeça

acefalia, cefaléia

-ciclo

círculo

ciclometria, triciclo

cin-, cine-, cines-

movimento

cinética, cinesalgia

cito-

célula

citologia, citoplasma

cosmo-

mundo, universo

cosmovisão, macrocosmo

-cracia

poder, autoridade

gerontocracia, tecnocracia

cromo-

cor

cromogravura, cromógeno

crono-

tempo

cronômetro, cronograma

datilo-

dedo

datilografia, datiloscopia

deca-

dez

decâmetro, decalitro

dem(o)-

povo

democracia, demagogo

derm(a)-

pele

dermatologista, dermite

di-

dois

dissílabo, ditongo

-doxo

crença, opinião

ortodoxo, paradoxo

-dromo

corrida

autódromo, hipódromo

eco-

casa, habitat

ecologia, ecossistema

-edro

base, face

poliedro, pentaedro

enea-

nove

eneágono, eneassílabo

etio-, etimo-

origem

etiologia, etimologia

etno-

raça

etnografia, etinologia

-fagia

ato de comer

aerofagia, antropofagia

-fago

que como ou aquele que come

antropófago

farmaco-

medicamento

farmacologia, farmacopéia

fil(o)-, -filia

amigo, amante

filósofo, filólogo

fisio-

natureza

fisiologia, fisionomia

-fobo, -fobia

aversão, que odeia

claustrofobia, xenofobia

fon(o)-

som, voz

fonógrafo, telefone

-foro

que leva ou conduz

electróforo, fósforo

-gamia

casamento

monogamia, poligamia

gaster(o)-, gastr(o)-o

estômago

gastronomia, gastro

gêneo, gen(o)-

origem

gênese, hidrogênio

geo-

terra

geografia, geóide

-gono

ângulo

polígono, pentágono

-grafia

escrita

ortografia, caligrafia

helio-

sol

heliografia, helioscópio, heliocentrismo

hemi-

metade

hemisfério, hemisferóide

hemo-, hemato-

sangue

hemorragia, hemograma, hematócrito

hepta-

sete

heptágono, heptassílabo

hepat(o)-

fígado

hepatite, hepático

hatero-

outro, diferente

heterosexual, heterogênio

hexa-

seis

hexágono, hexâmetro

hidro-

água

hidrografia, hidrófilo

higro-

umidade

higrômetro, higrófilo

hipno-

sono

hipnose, hipnotismo

hipo-

cavalo

hipódromo, hipopótamo

hom(e)o-, homo-

semelhante

homosexual, homeopatia

ictio-

peixe

ictiófago, ictiologia

iso-

igual

isóbaro, isósceles

-latra

que cultua

alcoólatra

-latria

culto

idolatria

lito-

pedra

litografia, aerólito

-logo, -logia

estudo, discurso, tratado, ciência

ginecologia, astrologia

macro-

grande

macrocosmo, macrobiótica

-mancia

adivinhação

quiromancia, cartomancia

mani-, -mania

loucura, tendência

manicômio, cleptomania

-mano

louco, com inclinação a

bibliômano, mitômano

mega-, megalo-

grande

megalomaníaco, megalocefalia, megatério

-maquia

luta, combate

logomaquia, tauromaquia

melo-

canto

melodia, melopéia

meso-

meio

Mesopotâmia, mesóclise

-metria

medida

antropometria, cefalometria

-metro

que mede, medição

barômetro, termômetro

micro-

pequeno

microcosmo, microfone

miria-

dez mil

miriâmetro, miríade

miso-

ódio, aversão

misantropia, misossofia

mito-

fábula, palavra

mitologia, mitômano

mon(o)-

único, sozinho

monarquia, monobloco

morf(o)-

forma

zoomórfico, amorfo, morfologia

necro-

morte, cadáver

necrotério, necrofilia

neo-

novo, moderno

neologismo, neolatino

neur(o)-, nerv -

nervo

neurite, nevralgia

-nomia

lei, regra

agronomia, astronomia, autonomia

-nomo

que regula

metrônomo, autônomo

octo-

oito

octógono, octossílabo, octaedro

odont(o)-

dente

odontologia, adontalgia

oftalm(o)-

olho

oftalmologista, oftalmia

-onimo, onomato-

nome

ortônimo, sinônimo

oro-

montanha

orogenia, orografia

orto-

reto, correto, justo

ortônimo, ortodontia

oxi-

agudo, ácido

oxítona, oxidação

paleo-

antigo

paleografia, paleontologia

pan-

todos, tudo

panteísmo, pan-americano

pato-

sentimento, doença

patogenérico, patologia

pedi-, pedo-

criança

pediatria, pedologia

-péia

ato de fazer

melopéia, onomatopéia

-polis, -pole

cidade

metrópole, acrópole

-pedia

educação, correção

ortopedia

pneum(o)-

pulmão

pneumonia, pneumotórax

pole-, polis-

cidade

acrópole, Florianópolis

poli-

muito

poligamia, politécnica, polígono

-potamo

rio

Mesopotâmia, hipopótamo

psic(o)-, psiqu(e)-

alma, espírito

psicologia, psiquiatria

-ptero

asa

díptero, hicóptero

quilo-

mil

quilograma, quilocaloria

quiro-

mão

quiromancia

rin(o)-

nariz

rinite, rinoceronte

rizo-

raíz

rizotônico, rizólise, rizófago

-scopia

ato de ver

macroscopia, microscopia

-scopio

o que faz ver

telescópio, microscópio

sider-, sidero-

ferro, aço

siderurgia, siderografia

sismo-

terremoto

sísmico, sismógrafo

-sofia

sabedoria

filosofia, teosofia

soma-, -somo, somato-

corpo, matéria

cromossomo, somatologia

-stico

verso

dístico, monóstico

tanato-

morte

eutanásia, tanatofobia

-teca

lugar onde se guarda

filmoteca, discoteca,

taqui-

rápido

taquigrafia, taquicardia

tecno-

arte, ofício

tecnologia, tecnocracia

tele-

ao longe, distância

telefone, telescópio

teo-

deus, divindade

teocentrismo, teologia, teocracia

-terapia

cura

fisioterapia, hidroterapia

term-, termo-

calor, temperatura

termômetro, termostato, térmico

tipo-

figura, marca

tipografia, tipologia, arquétipo

topo-

lugar, localidade

topografia, topônimo

tetra-

quadro

tetraedro, tetrarca

-tomia

corte, divisão

dicotomia, anatomia, nevrotomia

-tono

tensão, tom

barítono, monótono

xero-

seco, secura

xerófito, xerografia

xeno-

estrangeiro

xenofobia, xenomancia

xilo-

madeira

xilogravura, xilógrafo

zoo-

animal

zoologia, zoomorfo

 

 

 

 

 

Radicais latinos

Radical

significado

exemplos

agri-, agro-

campo

agriciltura, agrônomo

ambi-

ambos

ambivalência, ambidestro

arbori-

árvore

arborícola, arboriforme

avi-

ave

avifauna, aviária

beli-

guerra

bélico, beligerante

bi-, bis-

repetição, duas vezes

bisavô, bilingüe

calori-

calor

caloria, calorífero

cent-

cem

centavo, centena

-cida

que mata

inseticida, regicida

-cola

que cultiva

vinícola, citrícola

color-

cor, coloração

colorífico, quadricolor

cordi-

coração

cordial, cordiforme

cruci-

cruz

crucifixo

-cultura

ato de cultivar

suinocultura, psicultura

curvi-

curvo

curvilíneo

deci-

décimo

decímetro, decigrama

digit(i)-

dedo

digitador, digitação

ego-

eu

egocentrismo, egoísmo

equi-, eqüi-

igual

equivalência, eqüidistante

-fero

que contém

mamífero, carbonífero

ferri-, ferro-

ferro

ferrovia, ferrífero

-fico

que faz, ou produz

benéfico, frigorífico

fide-

fiel, fidelidade, fidedigno

-forme

forma

uniforme, disforme

fratri-, frater-

irmão

fraterno, fraticida

frig(i)-

frio

frigidez, frigorífico

-gero

que produz, ou contém

armígero, belígero

-fugo

que foje, ou faz fujir

centrífugo, febrífugo

gradu-

grau, passo

centígrado, graduação

herbi-

erva, planta

herbívoro, herbicida

homini(i)

ser humanao

hominídeo, hominal, homicídio

igni-

fogo

ignição, úgneo

lati-

largo, amplo

latifúndio, latifólio, latitude

loco-, locus

lugar

locomotiva

mili-

mil, milésima parte

milímetro, milípede

mini-

muito pequeno

minissaia, mínimo

multi-

numeroso

multissecular, multiangular

morti-

morte

mortífero

ocul(i)-

olho

oculista, oculiforme

odori-

odor, cheiro

odorífero, desodorante

olei-, oleo-

azeite, óleo

oléigeno

oni-

tudo, todos

onipresente, onisciente

-paro

que produz

multíparo, ovíparo

pedi-, -pede

pedicuro, velocípede

petr(i)

pedra

petrificar, petróleo

pisc-

peixe

piscicultura, pisciano

pleni-

pleno, cheio

plenificar, plenipotência

pluri-

muitos

plurianual, pluricecular

pluvio-

chuva

pluviômetro, pluviosidade

popul(o)-

povo

populoso, populismo

quadri-, quadru

quatro

quadrimotor, quadrúpede

radic(i)-

raiz

radicar, radiciação

reti-

reto, direto

retificar, retilíneo

reti-

rede

reticulado, retiforme

retro-

rede

reticulado, retiforme

sacar(i)-

açucar

sacarina, sacarose

sesqui-

um e meio

sesquicentenário

sexi-, sexo-

sexo

sexologia, assexuado

sideri-

astro

sideral, sidério

silvi-

selva

silvícula, silvicultura

socio-

sociedade

sociologia, sociolingüística

-sono

que soa

horíssono, uníssono

telur(i)-

terra, solo

telúrico, telurismo

toni-

tom, vigor

tônico, tonificar

toxic(o)-

veneno

toxicomania, toxina

tri-

três

triângulo

triti-

trigo

triticultura, triticultor

uni-

um

uníssono

veloci-

veloz

velocípede, velocímetro

vermi-

verme

vermífugo, vermicida

vice-

em vez de

vice-campeão, vice-governador

vin(i)-

vinho

vinicultura, vinícola

vitri-

vidro

vitrina, vitrificar

-vomo

que expele

fumívogo, ignívomo

-voro

que devora

carnívoro, herbívoro

 

 

PERFIXOS

Prefixos de origem latina

Prefixo

significado

exemplo

ab-

afastamento, separação

abdicar, abjurar

abs-

abster, abstrair, abscesso, abstêmio 

a-

amovível, aversão

ad-

aproximação, direção,adição

adjunto, adventício, adsorção, adstringente

a-, ar-,as-

abeirar, arribar, assentir

ante-

anterioridade

antebraço, antepor, anteflexão

circum-

(circum-)

movimento em torno

circum-adjacente, circunavagar

cis-

posição aquém

cisalpino, cisplatino

com- (con-)

contigüdade, comapnhia

compor, conter, co-autor, congênere

co- (cor-)

cooperar, corroborar

contra-

oposição, ação conjunta

contradizer, contra-selar, contraceptivo, contralateral

de-

movimento de cima para baixo

decair, decrescer, degeneração,

des-

separação, ação contrária

desviar, desfazer, desinfecção, desnervação, dessensibilização

dis

separação, movimento para diversos lados, negação

dissidente, distender

di- (dir-)

dilacerar, dirimir

en-

introdução, mudança de estado, revestimento

encarcerar (hérnia), envenenar, envolver

entre-

posição intermediária

entreabrir, entrelinha

ex-

movimento para fora, estado anterior

exportar, extrair, exfoliativa (citologia), exsudato

es-

escorrer, estender

e-

emigrar, ecadir

extra-

posição exterior (fora de)

extra-oficial, extraviar

in1 (im-)

movimento para dentro, introdução

ingerir, impedir, intubação, invaginação

i- (ir-)

imigrar, irromper

em- (en)

embarcar, enterrar

in2 (im-)

negação, privação

inativo, impermeável

i- (ir-)

ilegal, irrestrito

inter-

posição intermediária, reciprocidade

intersexualidade, interação

intra-

posição interior

intradorso, intravenoso

intro-

movimento para dentro

introversão, intrometer, introspecção

justa-

posição ao lado

justapor, justalinear

ob-

posição em frente, oposição

objeto, obstáculo

o-

ocorrer, opor

per-

movimento através, durante

percorrer, perfurar, peroperatório, peroral

pos-

posterioriade, posição anterior

pospor, postônico, pós-operatório, post mortem

pre-

anterioridade

prefácio, pretônico, pré-coma, pré-frontal

pro-

movimento para frente  (não confundir com igual prefixo grego)

progresso, prosseguir,  pronação, protrusão

re-

movimento para trás, repetição

refluir, refazer, repolarizar, refluxo, reforçar

retro-

movimento mais para trás

retroceder, retrospectivo, retroperitônio, retroversão, retroalimentação.

semi-

parcialmente, incompleto

semicírculo, seemicúpio, semimorto

soto-

posição inferior

soto-mestre, sotopor

sota-

sota-vento, sota-voga

sub-

movimento de baixo para cima, inferioridade

subir, subalterno

sus-

suspender, suster

su-

suceder, supor

sob-

sobestar, sobpor

so-

soerguer, soterrar

super-

posição em cima, excesso

superpor, superpovoado

sobre-

sobrepor, sobrecarga

supra-

posição acima, excesso

supradito, supra-sumo

trans-

movimento para além de, posição além de

transpor, transalpino

tras-

transladar, transpassar

tres-

tresvariar, tresmalhar

ultra-

posição além do limite

ultrapassar, ultra-som

vice-

substituíção, em lugar de

vice-reitor, vive-cônsul

vis-(vizo)

visconde, vizo-rei

 

 

Prefixos de origem grega

Prefixo

significado

exemplos

an-, (a-)

privação, negação

anarquia, ateu

privação em medicina

acloridria, afasia, anaeróbio, analgésico

ana-

ação de movimento inverso, repetição

anagrama, anáfora

para cima, para trás

anionte, anaplasia

de novo

anamnese, anastomose

ase-

enzima

amilase, lipase, fosfatase, transaminase

anfi-

de um e de outro lado, em torno

anfíbio, anfiteatro

anti-

oposição, ação contrária

antiaério, antípoda

contra

antiemético, antídoto, antissepcia

apo-

afastamento, separação

apogeu, apóstata, apócrino, apófidr, aponevrose

arqui-, arc-

superioridade

arquiduque, arcanjo

arque, arce

arquétipo, arcebispo

catá-

movimento de cima para baixo, oposição

catadupa, catacrese

diá-, di-

movimento através de, afastamento

diagnóstico, diocese, diafragma, diarréia, diáfise, diálise

dis-

dificuldade, mau estado

dispnéia, desinteria, disfagia, dislalia, distrofia, disúria

ec- (ex-)

movimento para frente

eclípse, êxodo

en-, em-, e-

posição interior

encéfalo, emplasto, elipse

ecto-

fora de, exterior

ectoderma, ectópico, ectoparasito

endo-, end-

posição interior, movimento para dentro

endotérmico, endosmose, endocárdio, endógeno, endotélio

epi-

posição superior, movimento para, posterioridade

epiderme, epílogo, epiderme, epidemia, epífise, epidídimo

eu-, ev-

bem, bom

eufonia, evangelho, euforia, eugenia, eutanásia 

exo-

para fora, externo

exoftalmia, exosmose, exógeno

hemi-

metade

hemisfério, hemiplegia, hemicrania, hemicolectomia

hiper-

posição superior, excesso

hipérbole, hipertensão, hipertrofia, hipertonia, hiperglicemia

hipo-

posição inferior, escassez, diminuição

hipodérmico, hipotensão, hipocloridria, hipocôndrio

metá-, met-

posterioridade, mudança

metacarpo, metatarso, metamorfose, metafase

neo-

novo

neoplasia, neoformação, neologismo

oligo-

pouco

oligospermia, oligúria, oligofrênico

orto-

reto, direito

ortognata, ortopedia, ortodontia

pan-

todo

pancardite, pangastrite, pandemia, pan-hipopituitarismo

pará-, par-

proximidade, ao lado de

paralogismo, paramnésia, parasito, paratiróide, paramétrio, paranormal 

pen-

escassez, pobreza

citopenia, leucopenia, linfopenia

peri-

posição ou movimento em torno

perímetro, perífrase

poli-

muito

policitema, polidipsia, polimenorréia, poliúria

pró-

posição em frente, anterior

prólogo, prognóstico, proglote

sin-, sim-, si-

simultaneidade, comapanhia

sinfonia, simpatia, sílaba, síndrome, sincrônico, sincício.

 

 

 

SUFIXOS

 

 

Sufixo

significado

exemplos

-aco

estado íntimo, pertinência, origem

maníaco, austríaco

-ada

multidão, coleção

boiada, papelada

porção contida num objeto

bocada, colherada

marca feita com um instrumento

penada, pincelada

ferimento ou golpe

dentada, facada

produto alimentar, bebida

bananada, laranjada

duração prolongada

invernada, temporada

ato ou movimento enérgico

cartada, saraivada

-ado

território subordinado a titular

bispado, condado

instituíção, titulatura

almirantado, doutorado

provido ou cheio de

barbado, denteado

que tem o caráter de

adarnado, amarelado

-aico

referência, pertinência

judaico, prosaico

-al

relação, perinência

campal, conjugal

al < -ale

adjetivos

arterial, mental, nasal, sexual

-ança

ação ou resultado del, estado

lembrança, vingança, balança, criança

-ância

observância, tolerância, ambulância

-ano

adjetivo

craniano, microbiano

-ante

agente

estudante, navegante, acidi- ficante, calmante, expectorante, absorvente.

açãso, qualidade, estado

semelhante, tolerante

-ar

relação, pertinência

escolar, familiar

-ario

bustsntivos e adjetivos

protozoário, coronária, urinário

 

-atico

adjetivo

pancreático, profilático, sintomático

-ato

instituíção, titulatura

baronato, cardinalato

na nomenclatura química (sal)

carbonato, sulfato

-agem

noção coletiva

folhagem, plumagem

ato ou estadoa

prendizagem, ladroagem

-al

idéia de relação, pertinência

dedal, portal

cultura de vegetais

arrozal, cafezal

noção coletiva ou de quantidade

areal, pombal

-alha

coletivo-pejorativo

canalha, gentalha

-ama

noção coletiva e de quantidade

dinheirama, mourama

-ame

noção coletiva e de quantidade

vasilhame, velame

-ano

a) proveniência, origem, pertença

romano, serrano

b) sectário ou partidário de

luterano, parnasiano

c)semelhante ou comparável a

bilaquiano, camoniano

-ão

proveniência, origem

alemão, beirão

-aria

atividade, ramo de negócio

carpintaria, livraria

noção coletiva

gritaria, pedraria

ação própria de certos indivíduos

patifaria, pirataria

-ario

ocupação, ofício, profissão

operário, secretário

lugar onde se guarda algo

herbário, vestiário

relação, posse, origem

diário, fracionário

-ase

enzima

amilase

-(á)vel

possibilidade de praticar ou sofrer

durável. louvável

-ção

substantivo

dissecção, hidratação, pigmentação

-dade

tranforma adjetivo em substantivo

crueldade, dignidade, enfermidade, fertilidade, insanidade

-(d)iço

possibilidade de praticar ou sofrer

movediço, quebradiço

-(d)or

agente, instrumento de ação

jogador, regador

-douro

lugar ou intrumento de ação

debedouro, suadouro

ação, pertinência

duradouro, casadouro

-(d)ura

resultado ou instrumento de ação, noção coletiva

pintura, atadura

-edo

lugar onde crescem vegetais

olivedo, vinhedo

noção coletiva

lajedo, passaredo

-ente

agente

afluente, combatente

-ento (ver lento)

adjetivos

incruento, peçonhento, purulento

-eza

tranforma substantivo em adjetivo

beleza, riqueza

-eiro,  

-eira

 

ocupação, ofício, profissão

barbeiro, copeira

lugar onde se guarda algo

galinheiro, tinteiro

árvore e arbusto

laranjeira, craveiro

idéia de intensidade, aumento

nevoeiro, poeira

objeto de uso

cinzeiro, pulseira

noção coletiva

barreiro, formigueiro

relação, posse, origem

caseiro, mineiro

-ença

ação ou resultado dela, estado

descrença, diferença

-ência

ação ou o resultado dela, estado

anuência, concorrência

-engo

relação, pertinência, posse

mulherengo, solarengo

-enho

semelhança, procedência, origem

ferrenho, estremenho

-eno

referência, origem

terreno, chileno

-ense

relação, procedência, origem

forense, parisiense

-ente

ação, qualidade, estado

doente, resistente

-eo

relação, semelhança, matéria

róseo, férreo

-ês

relação, procedência, origem

cortês, norueguês

-esco

referência, semelhança

burlesco, dantesco

-este

relação

agreste, celeste

-estre

relação

campestre, terrestre

-eto

sais (química)

cloreto, sulfeto

-eu

realação, procedência, origem

europeu, hebreu

-ez

tranforma substantivo em adjetivo

altivez, honradez

-eza

tranforma adjetivo em substantivo

beleza, riqueza, fraqueza, magreza, pureza 

-ia

profissão, titulatura

advocacia, baronia, cardilogia

lugar onde se exerce uma atividade

delegacia, reitoria, enfermaria

noção coletiva

cavalaria, clerezia

tranforma adjetivo em substantivo

alegria, valentia

-ice

tranforma substantivo em adjetivo

tolice, velhice

-ície

tranforma substantivo em adjetivo

calvície, imundície

-icio

referência

aimentício, natalício

-ico

participação, referência

gométrico, melancólico

-idão

tranforma substantivo em adjetivo

gratidão, mansidão

-il

referência, semelhança

febril, senhoril

-íase

doença causada por parasito ou bactéria

amebíase, hanseníase

-ino

relação, origem, natureza

londrino, cristalino

substantivos e adjetivos

intestino, mediastino, masculino

-io

noção coletiva, reunião

gentio, mulherio

alguns elementos quimicos

sódio, potássio

ação, referência, modo de ser

fugidio, tardio

substantivos e adjetivos médicos

calafrio, doentio, sadio

-ita

pertinência, origem

ismaelita, israelita

-ite

inflamação

gastrite, apendicite

-inte

agente

ouvinte, pedinte

ação, qualidade, estado

seguinte, constituinte

-isco

referência, semelhança

levantisco, mourisco

-ismo

a) trinas ou sistemas

artísticos

realismo, simbolismo

filosóficos

kantismo, positivismo

políticos

federalismo, facismo

religiosos

budismo, calvinismo

b) modeo de proceder ou pensar

heroísmo, servilhismo

c) forma peculiar da língua

galicismo, neologismo

d) na terminologia científica

daltonismo, reumatismo

-ista

a) partidários ou sectários de doutrinas e sistemas (em –ismo)

artístico

realista, simbolista

filosóficos

kantista, positivista

políticos

federalista, facista

religiosos

budista, calvinista

b) ocupação ofício

dentista, pianista

c) nomes pátrios e gentílicos

nortista, paulista

-ite

inflamação

bronquite, gastrite

para fósseis

amonite

-(i)vel

uma ação

perecível, punível

-(l)ento

a) provido ou cheio de

ciumento, corpulento

b) que tem o caráter de

barrento, vidrenteo

-ivo

transforma verbo em substantivo

nutritivo, regenerativo, supurativo

-mento

a) ação ou resultado dela

acolhimento, ferimento, aleitamento, corrimento

b) instrumento de ação

ornamento, instrumento

c) noção coletiva

armamento, fardamento, medicamento

-óide

semelhante a

mastóide, esfenóide, esquizóide 

-ol

para alguns compostos ou funções químicas orgânicas

fenol, álccol, butanol, etanol

-oma

tumor

mioma, carcinoma

-onho

propriedade, hábito constante

enfadonho, risonho

-or

tranforma substantivo em adjetivo

alvor, amargor

-ose

doença não inflamatória, ou degenerativa

artrose, dermatose

-oso

provido ou cheio de

brioso, venenoso

transforma adjetivo em substantivo

aquoso, infeccioso, edematoso

-são

ação ou resultado dela

agressão, extensão

-(s)or

agente ou instrumento de ação

agressor, ascensor

-(t)icio

uma ação, referência

acomodatício, fictício

-tico

relação

aromático, rústico

-(t)ivo

ação, referência, modo de ser

afirmativo, pensativo

-(t)or

agente, instrumento de ação

inspetor, interruptor

-(t)ório

ação, pertinência

preparatório, emigratório

-(t)ura

resultado ou instrumento de ação, noção coletiva

formatura, magistratura

-udo

provido ou cheio de

pontudo, barbudo

-ugem

semelhança (pejorativo)

ferrugem, penugem

-ume

noção coletiva e de quantidade

cardume, negrume

-ura

tranforma substantivo em adjetivo

alvura, doçura

termos médicos

comissura, estatura, fissura, sutura

 

PATOLOGIA COMO SINÔNIMO DE DOENÇA

           

Patologia vem do grego páthos, doença, e lógos, estudo, tratado. Etimologicamente, portanto, significa estudo das doenças.

        Define-se patologia como o ramo da medicina que descreve as alterações anatômicas e funcionais causadas pelas doenças no organismo. Divide-se em patologia geral, que estuda os mecanismos básicos das doenças, e patologia especial, que descreve as alterações de cada órgão ou aparelho. Quando se ocupa das alterações anatômicas, macro e microscópicas, recebe a denominação de anatomia patológica e quando tem por objeto as alterações fisiológicas, a de fisiopatologia. O estudo das alterações produzidas nos tecidos pelas doenças constitui a histopatologia, e das alterações celulares, a citopatologia ou patologia celular. Quando nos referimos à patologia cirúrgica, obstétrica, pulmonar, ocular etc, estamos nos referindo ao estudo das alterações encontradas nas doenças cirúrgicas, obstétricas, pulmonares, oculares etc.

        Além de significar o estudo das alterações produzidas no organismo pelas doenças, o termo patologia é também utilizado para designar essas mesmas alterações. Ex.: patologia da hipertensão arterial, patologia da febre tifóide, patologia da doença de Chagas etc. Não deve, entretanto, ser usado como sinônimo de doença, sobretudo no plural, como ocorre freqüentemente. Ex.: "A patologia deste doente parece ser uma virose"; "o diabetes é uma patologia complexa"; "as patologias mais comuns na infância são as gastroenterites e as amigdalites" etc.

        Em nenhum dicionário, especializado ou não em termos médicos, encontra-se averbado o termo patologia como sinônimo de doença, enfermidade ou afecção. Dizer que o paciente tem uma patologia, como adverte o Prof. Idel Becker, seria o mesmo que dizer que o paciente tem uma cardiologia em lugar de uma cardiopatia.

        O mesmo desvio semântico é encontrado em espanhol e em inglês,. o que torna mais difícil sua rejeição em português. Em uma pesquisa na Internet, realizada em 11/06/2005 no site de busca Google, foi encontrada a seguinte frequencia com que são empregados outros termos, dentre os quais patologia, em substituição à doença.

 

                                        Em português (é uma... patologia)

 

Doença -                         88.900 vezes

Patologia -                        4.060     -

Enfermidade -                   3.440     -

Afecção -                            831     -

Moléstia -                            385    

                                      Em espanhol (es una... patologia)

 

Enfermedad -                 239.000 vezes

Patología -                       15.800     -

Moléstia -                          4.700     -

Dolencia -                             631     -

 

                         Em inglês (is a... pathology)

 

Disease -                        584.000 vezes

Illness -                             82.900     -

Pathology -                         8.000     -

Affection -                          5.310     -

 

 

        Possivelmente, estamos diante do que os linguistas chamam de neologismo de significado; a mesma palavra incorpora outro significado além do primitivo, tradicional. Como a evolução semântica das palavras é imprevisível, bem pode ser que tenhamos no futuro de acrescentar mais um significado à palavra patologia. A boa linguagem, vernácula, correta, no entanto, pelo menos por enquanto, não incorpora este novo significado de patologia.

 

 

SELA TÚRCICA OU SELA TURCA?

 

        As duas formas são amplamente usadas. O dicionário Houaiss e o Aurélio, registram ambas sem manifestar preferência por uma delas. O Michaelis averba unicamente sela túrcica.

        A denominação de sella turcica, em latim, foi introduzida na nomenclatura anatômica pelo anatomista belga Adrian van der Spieghel (1578-1625), mais conhecido pelo nome latino de Spigelius, em sua obra De humanis corporis fabrica, publicada em 1627, dois anos após sua morte. Spieghel foi professor de anatomia em Veneza e Pádua, sendo mais conhecido pelo epônimo lobo de Spieghel dado ao lobo caudado do fígado, por ele descrito. Spieghel comparou a depressão da face superior do osso esfenóide, onde se aloja a hipófise, com a sela de montaria usada pelos turcos e beduínos, a qual difere das demais por ter a parte posterior mais alta, oferecendo apoio para as costas do cavaleiro.

        Como era de praxe no século XVII nos escritos científicos, também Spieghel usou o latim em sua obra. Sella, em latim, significa assento, cadeira, e turcica, que se refere aos turcos. Por extensão, sella passou a designar o arreio que se coloca no dorso do animal para o cavaleiro montar.

        A citada depressão do esfenóide tem como sinônimos sela equina, sela equestre, sela esfenoidal, fossa pituitária, porém a denominação de sela túrcica, poposta por Spieghel, predominou sobre as demais. No dicionário de termos médicos latinos de Stephen Blancardi, de 1718, já se encontra sella turcica como sinônimo de sella equina

        Do latim, a denominação sella turcica foi traduzida, adaptada ou incorporada às línguas modernas. Temos, em francês, selle turcique; em inglês, sella turcica tal como em latim; em espanhol, silla turca. Em português, como já assinalamos, usa-se tanto sela túrcica como sela turca.

        A primeira edição da Nomina Anatomica em latim, de 1895, conhecida por BNA (de Basiléia, na Suiça), adotou sella turcica, de preferência a qualquer outra denominação, o que foi sacramentado a partir da PNA (Parisiensia Nomina Anatomica), de 1955.

        A primeira tradução da PNA para o português data de 1961 e manteve a forma latina, aportuguesando-a: sela túrcica. Em outra tradução, de 1977, coordenada pelo Prof. Idel Becker, permaneceu a opção por sela túrcica. Em 1984, no entanto, foi publicada uma nova tradução em português, da 5a. edição da Nomina Anaatomica em latim, "sob a supervisão da Comissão de Nomenclatura da Sociedade Brasileira de Anatomia", na qual preferiu-se substituir túrcica por turca: sela turca.[13] Mais recentemente, na tradução da última edição da Nomina, de 1998, publicada com o título de Terminologia Anatômica, permaneceu a forma sela turca

        Fazendo uma pesquisa nos trabalhos indexados pela BIREME nos últimos anos, encontramos a ocorrência de sela túrcica 78 vezes, e sela turca 75 vezes, o que representa 50% de cada uma das formas. Como túrcica e turca são sinônimos, embora o adjetivo túrcico(a) seja obsoleto, não se pode incriminar nenhuma delas de incorreta.

        O nosso ver túrcica é mais tradicional, enquanto turca é mais recente, tendo sido adotada pela Sociedade Brasileira de Anatomia.

        Por outro lado, sela túrcica é a forma que se encontra nos Descritores em Ciências da Saúde da BIREME para a língua portuguesa e a única registrada no mais moderno dicionário de termos médicos, que é o de Luis Rey. Estamos, assim, diante de um impasse, e só o tempo dirá qual a forma que irá prevalecer.

 

 

AUTÓPSIA, AUTOPSIA. NECRÓPSIA,
NECROPSIA, NECROSCOPIA

O exame cadavérico com fins médicolegais, ou visando ao estudo anatomopatológico, observa o Prof. Idel Becker, sempre foi chamado de autópsia. "Até alguém, de boa fé, tachá-la de forma" "errada" (prosodicamente) e propugnar a pronúncia "certa": autopsia (ía). Ao mesmo tempo, outro autor lembrou-se de impugnar a forma autópsia do ponto de vista etimológico. As divergências foram-se avolumando. E o resultado é que hoje temos, pelo menos, nove formas em conflito: autópsia, autopsia, autopse, necrópsia, necropsia, necropse, autoscópia, autoscopia, necroscopia".
        Deixando de lado as formas autoscópia e autoscopia, pouco usadas, ainda restam sete formas concorrentes.
        O termo autopsía já existia em grego (formado de auto, próprio + opsis, ação de ver + sufixo -ia), com o sentido de "ver com os próprios olhos".
        Galeno empregou o termo no sentido de inspeção pessoal para aquisição de conhecimentos de anatomia.
        Segundo Pedro Pinto, no sentido de exame cadavérico, o vocábulo foi primeiramente empregado por Alemanus, que entendia que o médico legista, ao examinar o cadáver, observava-se a si mesmo.
        Com o significado atual de investigação da causa mortis seu uso data do início do século XIX. O dicionário de Moraes, de 1813, não registra a palavra autópsia, a qual teria entrado para a língua portuguesa por intermédio do francês.
        Segundo J. P. Machado, o primeiro documento em língua portuguesa com a palavra autópsia data de 1847; é de autor anônimo e refere-se à "autópsia de partidos políticos...".
        A divergência de natureza prosódica reside no sufixo -ia, que pode provir diretamente do grego ou através do latim. Na primeira hipótese a vogal i é tônica: na segunda, é átona. Muitas palavras em português seguem a prosódia grega, enquanto outras seguem a prosódia latina.
        Embora o uso tenha consagrado a forma proparoxítona, alguns léxicos indicam a forma paroxítona, fazendo recair o acento na letra i, conforme o étimo grego. Nascentes observa que "a acentuação no i, aceita por Constâncio, Faria, Roquete, Lacerda, Aulete e Ramiz, não é popular". Outros dicionários registram as duas formas como variantes prosódicas possíveis.
        O Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira de Letras registra autopse e autópsia, deixando autopsia (ía) para expressar a terceira pessoa do indicativo do verbo autopsiar.
        Autopse, em lugar de autópsia (por analogia com sinopse), tornou-se a forma preferida de autores portugueses, tendo sido adotada no Brasil por Plácido Barbosa, Pedro Pinto e Afrânio Peixoto.
        As formas necropsia e necroscopia foram propostas em substituição à autopsia por serem etimologicamente mais apropriadas. Com base no dicionário de Moraes, Houaiss estabelece a datação histórica de 1858 para necropsia e necroscopia.
        O Shorter Oxforf English Dictionary indica a data de 1856 para a entrada do termo necropsy na língua inglesa. Em francês ambos os termos estão averbados no Dictionnaire de Médecine, de Littré e Robin, de 1873  e, em português, no Dicionário da Língua Portuguesa", de Domingos Vieira, editado entre 1871 e 1874.
        A forma necropse e a divergência prosódica entre necrópsia e necropsia decorrem, mutatis mutandis, das mesmas razões apontadas para autópsia. Existe, contudo, em relação à necropsia menor tolerância dos lexicógrafos para com a forma proparoxítona,
talvez por se tratar de criação mais recente.
        A classe médica brasileira, nos últimos 40 anos, vem usando indistintamente autópsia e necrópsia na sua forma proparoxítona, sendo raro o emprego de autopse, necropse e necropsia.
        Parece claro que, se optarmos por autópsia como variante prosódica correta, por uma questão de coerência também devemos aceitar necrópsia em lugar de necropsia (ía).
        Autópsia e necrópsia são, pois, as duas formas prevalecentes, sendo impossível, no momento, dizer qual delas irá predominar no futuro.

 

 

 

 

 


 

 

 

VISITA/CONTATO
AFTAS
AIDS
AMÁLGAMA
ANATOMIA 1
ANATOMIA 2
ANATOMIA 3
ANESTESIA 1
ANESTESIA 2
BIOFILME
CARDIOPATIA
CÁRIE DENTAL
DIABETE
DOR OROFACIAL
EXODONTIA/SISO
ENDODONTIA
FLÚOR/FLUOROSE
GESTANTE
HALITOSE
HEMOFIlIA
HERPES
HIGIENIZAÇÃO
IMPLANTE
LINGUAGEM 1
LINHUAGEM 2
LINKs
NUTRIÇÃO
OCLUSÃO
ODONTOPEDIATRIA
ORTODONTIA
PERIODONTIA
PREVENÇÃO
SELANTE
527966
  

Site Map